arrow_back

Resultado da busca por: "da indústria da"

Empresa compra cidade na Califórnia para transformá-la em paraíso da maconha

A empresa American Green Inc., gigante da recém-aquecida indústria da maconha medicinal e recreativa nos Estados Unidos, anunciou na última quinta-feira, dia 3 de agosto, a compra os 32 hectares correspondentes a uma cidade inteira na Califórnia chamada Nipton. A intenção é transformar a cidade em um paraíso para receber turistas interessados na erva.


Tudo bem que não é uma cidade grande. O terreno inclui apenas algumas casas e um antigo hotel no estilo Velho Oeste. Aliás, fica fincada no meio do deserto, o que dificultou ainda mais seu desenvolvimento. Hoje, estima-se que Nipton tenha apenas seis habitantes, incluindo a família dona dos terrenos. Mas os planos são gigantescos.


A intenção da American Green Inc. é fazer atrações auto-sustentáveis em termos hídricos e elétricos – já existe uma fazenda de energia solar que sustenta as poucas atividades locais. E eles não pretendem ficar sozinhos lá. Tudo será feito para atrair empresas ligadas à produção e consumo de maconha, quase criando um parque temático, informa a ABC.



Joesley, da indústria da carne, diz a Temer que emagreceu por estar comendo ‘menos industrializado’

Não é todo dia que a Operação Lava Jato dá dicas de saúde e beleza, não é mesmo? Precisamos cuidar do nosso corpo para estarmos bem na terceira idade, quando – quem sabe? – todos os políticos corruptos do Brasil estarão presos. A novidade na apuração veio com a divulgação de novos trechos da gravação que Joesley Batista, dono da JBS, fez da conversa que teve com Michel Temer no porão da residência do presidente.


Tirando as já conhecidas menções a interferências no Congresso Nacional e até no Judiciário, Temer elogia a boa forma de Joesley, mais fininho que o habitual, informa O Globo.


— (…) Mas você tá bem de corpo, não é Joesley? — disse o presidente Temer.


— Tô bem. Deixa eu pegar (ininteligível). — respondeu Joesley, sem deixar claro no áudio o que foi pegar. Talvez o Herbalife? Nunca saberemos.


Mas ele continua, para o bem de nossa saúde.


— Emagreci, to bem — diz Joesley.


— Você emagreceu — confirma Temer.


— Emagreci.


— Preciso fazer isso — diz o presidente.


É quando Joesley, dono da maior empresa de processamento e industrialização de carne do país – uma das maiores do mundo, diga-se – recomenda evitar nas refeições o que fez sua fortuna.


— É. Eu … eu tô me alimentando bem. Comendo mais saudável. Mas não é comendo pouco não. Tô comendo bastante. Mas, coisa mais saudável — diz Joesley.


— Entendi — afirma Temer.


— Menos, menos doce. Menos industrializado — afirma Joesley, dando o caminho das pedras.



Tim Maia e Roberto Carlos: A melhor história de todas

tim-maia-3658

tim-maia-3658

Texto copiado na íntegra do blog do André Barcinski

Em meio a esse bafafá sobre as mudanças que a Rede Globo fez no especial sobre Tim Maia, adicionando elogios ao “Rei”, ninguém lembrou uma das melhores histórias envolvendo os dois personagens.

O caso está em meu livro “Pavões Misteriosos – 1974-1983: A Explosão da Música Pop no Brasil” (Editora Três Estrelas) e me foi contado por Ritchie, personagem central do imbróglio.

Só para situar o leitor, o caso aconteceu no meio dos anos 1980. Em 1983, Ritchie havia lançado o LP “Vôo de Coração”, pela CBS. Somando as vendas do LP e do compacto de “Menina Veneno”, Ritchie se tornara o artista de maior sucesso do Brasil entre 1983 e 1984. Até então, apenas um artista brasileiro vendera mais discos que Roberto Carlos: os Secos e Molhados, em 1974. Mas nenhum artista da gravadora de Roberto, a CBS, o tirara do topo do pódio, e isso, segundo Tim Maia, teria causado uma reação fulminante por parte do “Rei”.

Aqui vai o trecho de “Pavões” em que o “Síndico” explica a Ritchie como funcionam as coisas no mundo encantado de Roberto Carlos:

O futuro parecia promissor para Ritchie: rico, famoso, e com um contrato de mais três discos com a CBS. Mas uma série de desentendimentos e crises acabaria por prejudicar sua carreira. Depois do sucesso de “Vôo de Coração”, ele nunca mais teria um LP entre os 50 mais vendidos do ano no Brasil. Quando foi gravar o segundo disco, “E a Vida Continua”, o cantor sentiu certa má vontade por parte da CBS. “Eles não divulgaram o disco, não pareciam interessados.” A música de trabalho, “A Mulher Invisível”, outra parceria com Bernardo Vilhena, fez sucesso nas rádios, mas logo sumiu das paradas. O LP vendeu 100 mil cópias, uma boa marca, mas pálida em comparação ao 1,2 milhão de “Vôo de Coração”. O disco seguinte, “Circular”, vendeu menos ainda: 60 mil.

ritchie-compacto-menina-veneno-14189-MLB4141328160_042013-F

Ritchie ficou perplexo. Não entendia como havia passado, em tão pouco tempo, de prioridade a um estorvo na CBS. Até que leu uma entrevista de Tim Maia à revista “IstoÉ”, em que o “Síndico” afirmava que Roberto Carlos, o maior nome da gravadora, havia “puxado o tapete” de Ritchie. “Eu não podia acreditar. O Roberto sempre foi muito carinhoso comigo, sempre fez questão de me receber no camarim dele, sempre me tratou muito bem. Até hoje, não acredito que isso tenha partido do Roberto.”

Um dia, Ritchie foi cumprimentar Tim Maia depois de um show no Canecão. O camarim estava lotado. Assim que viu Ritchie, Tim gritou: “Agora todo mundo pra fora, que vou receber meu amigo Ritchie, o homem que foi derrubado da CBS pelo Roberto Carlos”. Claudio Condé, da CBS, nega: “Isso é viagem. O Roberto nunca teve esse tipo de ciúme”.

Para piorar a situação, Ritchie havia comprado briga com outro peso-pesado da indústria da música: Chacrinha. Por um bom tempo, o cantor havia participado dos playbacks que o Velho Guerreiro promovia em clubes do subúrbio do Rio de Janeiro, mas essas apresentações começaram, gradativamente, a atrapalhar a agenda de shows de Ritchie. “O filho do Chacrinha, Leleco, marcou um playback comigo, a Alcione e o Sidney Magal no estacionamento de um shopping, mas eu tinha um show de verdade em Belo Horizonte, e meu empresário disse que eu não poderia comparecer.”

Resultado: Ritchie passou a ter cada vez mais dificuldades em aparecer na TV e viu notinhas maliciosas plantadas em colunas musicais. Uma delas dizia: “O artista inglês Ritchie, tão bem acolhido pelos brasileiros, se recusa a trabalhar com artistas brasileiros”. “Fiquei puto da vida.” Em janeiro de 1985, Ritchie, o maior vendedor de discos do Brasil no ano anterior, foi ignorado pelo Rock in Rio. “Aquilo me deixou arrasado. Lembro que um dos organizadores do festival deu uma declaração de que eu ‘nem brasileiro era’. Como pode uma coisa dessas?”

Ritchie estava tão por baixo na CBS que a gravadora concordou em rescindir seu contrato, mesmo faltando um disco. O cantor assinou com a Polygram e lançou, em 1987, o compacto de “Transas”, tema da novela global “Roda de Fogo”. “Transas” vendeu muito bem, mas o primeiro LP pela Polygram, “Loucura e Mágica”, não passou de 25 mil cópias. Em três anos, Ritchie fora de maior astro do Brasil a fracasso de vendas, tornando-se um exemplo marcante da efemeridade dos fenômenos pop.

Anos depois, quando fazia um show em Angra dos Reis, o cantor foi procurado por um homem, que se apresentou como radialista e lhe disse: “Há anos quero te contar um caso: quando você lançou ‘A Mulher Invisível’, aconteceu algo que eu nunca tinha presenciado em mais de 30 anos trabalhando em rádio: eu ganhei um jabá da sua própria gravadora para não tocar sua música!”.

O post Tim Maia e Roberto Carlos: A melhor história de todas apareceu primeiro em Sedentário & Hiperativo.

MAIS POSTS

Compartilhar

Escolha uma rede para compartilhar

Marcadores